Runaway

SP: roteiro pseudo-cult

17:08


São Paulo é daquelas cidades que despertam amores e horrores nas pessoas. Sou do primeiro tipo, amo SP e toda sua selvageria cosmopolita. Ela é provavelmente a única cidade do Brasil em que se pode conviver com as culturas espanhola, síria, italiana, japonesa, americana e, principalmente, brasileira em um só dia. Mário de Andrade a chamou de Pauliceia Desvairada - excelente apelido -, Diogo Mainardi a chamou de ''cidade amorfa'' - o que não deve ser visto pelo lado negativo -. Desvairada ou amorfa, São Paulo oferece as melhores experiências gastronômicas da América Latina e eventos culturais tão ricos quanto os do Rio. 

Selecionei alguns programas imperdíveis: caminhda pela Rua Oscar Freire, nos Jardins; compras Livraria Cultura, na Avenida Paulista; visita ao Museu da Língua Portuguesa; passeio pelo bairro Liberdade de cultura japonesa

Rua Oscar Freire - A Oscar, como simplesmente é conhecida, já foi reduto das grifes mais caras de SP, como Gucci, Louis Vutton, Armani etc. Mas essas lojas hoje em dia se concentram nos shoppings JK Iguatemi e Cidade Jardim. Hoje em dia na Oscar, estão lojas mais acessíveis para pobres mortais, mas não menos interessantes, como Calvin Klein Jeans, Schultz, Osklen, Arezzo, Richards. E apesar da fama e do glamour, os preços são os mesmos. Ou seja, compra-se o mesmo produto, pelo mesmo preço, mas recebe-se um atendimento diferenciado e experiência é outra. Sem contar que, assim como toda SP, tem excelentes opções de restaurantes e comidinhas e, como atração cultural, recomendo a galeria do Romero Britto. Lembrando que o interessante da Oscar está entre a Avenida Rebouças e a Rua Padre João Manuel.

Chez Oscar no comecinho da rua.
Galeria do Romero Brito perto da esquina da Haddock Lobo com Oscar Freire - a esquina mais chique de SP.

Livraria Cultura - Chegando na Rua Padre João Emanuel, suba em direção à Avenida Paulista, chegando lá, dentro do Conjunto Nacional - o maior centro comercial de SP - você vai encontrar a Livraria Cultura, a melhor livraria que já fui na vida. um verdadeiro deleite para cults e pseudo-cults, como eu. São quatro andares de loja, como todos gêneros literários possíveis, filmes, CD's, LP's, e um pessoal muito interessante. A loja ainda tem teatro e salas de cinema. É atração imperdível. Prepare seu bolso.

Um universo de leitura. Você vai gastar fácil mais de duas horas aí dentro.
O Museu da Língua Portuguesa, para mim, foi a atração mais interessante da minha visita à SP. Em homenagem à "Última Flor do Lazio", ele foi o primeiro museu do mundo cujo tema principal é uma língua, e é totalmente interativo. O visitante é imergido na história e nas mais profundas variedades de nosso idioma. Uma tela de 106 m, conta em vídeos as mais diferentes manifestações linguísticas como música, poesia, carnaval, sotaques etc No primeiro piso, havia uma interessantíssima exposição de quadros de artistas brasileiros, com telas de Di Calvacanti, Portinari e esculturas de Victor Brecheret e outros artistas brasileiros.

O museu fica na Estação da Luz. E nos sábados a entrada é franca, em dias de semana, R$6.

Exposição "Narrativas Poéticas" da Coleção Santander Brasil.
Di Calvacanti

Achei essa tela muito irreverente.

Assim como Nova York tem China Town, e Londres, o SoHo, São Paulo tem a Liberdade que possui a maior concentração de japoneses fora do Japão! O bairro possui muitas lojinhas de todos os preços com produtos exóticos, restaurantes de cozinha oriental e muitos, mas muitos olhos puxados. Lá, todas as placas são escritas em português e japonês, rende excelentes fotos, como esta:
Eu (Humberto - este que vos escreve) com minha irmã Anne, no viaduto Cidade de Osaka.
No mais, vale a pena se despir dos preconceitos que envolvem SP, e curtir todas as experiência que a cidade mais globalizada da América Latina tem para oferecer. Gostaria de fazer um agradecimento especial para Anne Britto e Marcelo Brañas, sem os quais este post não seria possível.

POSTS QUE VOCÊ PODE GOSTAR

0 comentários